Com que piso eu vou?

Sempre que falamos sobre a escolha do piso em nossas reuniões com os clientes há muitas questões: Qual a diferença do piso cerâmico e do porcelanato? Qual melhor acabamento: polido ou natural? Que piso tem maior durabilidade? Posso usar um piso de tamanho grande em um espaço pequeno? Então, resolvi inaugurar nosso papo no Blog falando do que usar para vestir o chão de nossos lares!

Um pouco de técnica

O Piso Cerâmico tradicional é produzido com uma massa de argilas levadas ao forno com temperaturas de até 1 150 ºC. Depois de secas as placas recebem uma camada de pintura esmalte decorativa.

Já o Porcelanato é um piso produzido com uma massa de materiais nobres, mais densa que a da cerâmica comum. Além disso, a produção com prensas hidráulicas de altíssima pressão e queima em temperaturas superiores a 1200ºC garantem baixa porosidade.

Por sua baixa  absorção de água o porcelanato apresenta alta resistência aos impactos, maior durabilidade e baixa expansão por hidratação (não descolam se assentados adequadamente).

Sobre os tipos de porcelanato, os principais são o técnico e o esmaltado. A diferença é que o primeiro é produzido a partir de uma massa pigmentada com corantes e o esmaltado tem a face revestida de esmalte após a produção da peça – por receber acabamento posterior, a produção é mais suscetível a riscos e trincas.

E qual é a diferença entre o porcelanato natural, acetinado e o polido? Estes nomes estão associados ao acabamento da peça – ao seu “visual”.  Tanto o porcelanato técnico quanto o esmaltado podem apresentar as três versões. A versão natural tem o aspecto mais rústico e sem brilho, a acetinada tem semi-brilho e a polida foi feita para brilhar!

Um pouco de prática

Quanto ao tamanho das peças, o mercado apresenta pisos em formatos cada vez maiores. Só temos que tomar cuidado com o assentamento de peças muito grandes em ambientes pequenos! Por exemplo, para direcionar a  água para um ralo  em um  banheiro: se uma única peça de piso cobrir toda a superfície do chão, é difícil ajustar o caimento.

Mas qual o melhor tamanho para usar em sua casa?  Para escolher você pode pensar na paginação do piso: a forma que ele será assentado, qual o melhor local para começar o assentamento, onde ficarão os recortes e que dimensão garantirá menor perda de material. Placas assentadas na diagonal têm uma quantidade de perda maior que as assentadas na forma tradicional.

Você pode escolher também peças retificadas que passam por um processo de retifica, onde suas dimensões finais são precisas com bordas bem retas. Isso permite o uso de juntas de assentamento com menor espessura (aqueles riscos onde colocamos a massa de rejunte) além do efeito estético melhor, também diminui o acumulo de sujeira nos encontros.

É  muito importante contratar uma mão de obra especializada para a  instalação para um bom resultado final. Peça indicações para quem já utilizou estes serviços.

Um pouco de Estética

Agora que você já sabe bastante sobre pisos, pode procurar um modelo para chamar de seu. A boa notícia é que há grande  variedade de cores, texturas, padrões. Tem até os que reproduzem  materiais, como: madeira, cimento queimado, mármore, etc.

Tem com brilho, natural, com dimensões e preços variados. Pesquise sobre a marca e procure referências – nem todos os pisos do mercado são maravilhosos, a variedade trouxe também opções ruins bem disfarçadas. E tenha em mente que o bom piso é aquele que atende a sua necessidade com a aparência que lhe agrada. Escolha o seu!